Resenha – Dou Shou Qui

Postado por

“Luta na Selva é tão sutil que lembra mais uma criação da natureza do que uma invenção humana. Nela, é preciso saber correr riscos, avançar na hora certa e recuar quando for preciso.” – Página sobre o jogo na Wikipédia

Dou Shou Qi, também conhecido como “Batalha dos animais” ou “Jogo da selva”, é um jogo tradicional chinês do século V que também é considerado uma variação asiática do xadrez tradicional.

Agradecimentos divinos à Mitra pela maravilhosa produção e ao jogador, professor e fã do blog Rodrigo Monsores pelo acesso ao jogo!

Mecânicas
– Movimento ponto-a-ponto

Em Dou Shou Qi cada jogador(a) conta com 8 peças de animais diferentes com um único objetivo: levar um dos seus animais até a “toca” do oponente.

dou_geral1
Componentes

Para atingir esse objetivo, as peças são movimentadas de um em um espaço no tabuleiro, na vertical ou horizontal. Porém cada peça possui um valor de força diferente e isso dita as regras de captura.

Basicamente toda peça pode capturar outra que seja do oponente e com valor igual ou superior, apenas com uma exceção: somente o rato, que possui valor 1, pode capturar o elefante, que possui valor 8. O elefante também é a peça mais poderosa de cada um dos jogadores.

dou_pecas1
Destaque das peças

Por fim, o tabuleiro ainda conta com dois espaços chamados “lagos” onde somente o rato pode entrar, porém o leão e o tigre podem pular completamente, o que permite novas estratégias para capturar em geral. Armadilhas que eliminam a força de uma peça também existem permitindo que essa possa ser capturada por qualquer outra.

dou_setup1
Marcação das peças e lagos retangulares

Considerações finais
Dou Shou Qi é definitivamente um jogo diferente de boa parte dos abstratos clássicos onde é necessário apenas capturar peças do adversário seguindo regras de movimento. Aqui a força das peças, ou animais, faz toda diferença quando se vai capturar e até mesmo movimentar: um movimento errado e uma peça fica a pouquíssimos espaços de ser capturada por outra.

Cada peça capturada diminui tanto a capacidade ofensiva quanto defensiva de cada jogador presente e isso influencia diretamente o caminho para a vitória de cada jogador. Exemplo disso é que, enquanto as peças maiores podem capturar com facilidade as peças iguais ou menores, as peças menores podem “dar a volta” para tentar invandir a toca adversária. Nunca subestime o poder do rato que, apesar de ter força 1, pode derrubar o elefante e também ficar dentro das regiões do lago.

Existe espaço para jogadores novatos e isso significa também que existe espaço para a demora em cada turno. Pensar em uma ou duas jogadas à frente é importante, mas o tabuleiro pode facilmente mudar de um turno para outro, assim como no xadrez por exemplo.

Sem sombra de dúvidas, o pequeno detalhe de que as peças possuem força de captura faz toda a diferença e é o alto ponto da diversão e estratégia do jogo.

Pontos positivos
– Regras simples de aprender e ensinar
– Diferentes peças criam diferentes e numerosas estratégias para vitória
– Excelente variação do xadrez
– Serve para novatos e veteranos

Pontos negativos
– Existe claro espaço para demora nos turnos